Registrar em ata uma síntese da análise e da problematização dos videodocumentários

por Anselmo Lima

ata reunião pedagógica clínica da atividade docente

Depois de auxiliar o coletivo de professores na análise e problematização dos videodocumentários em reunião pedagógica, o décimo segundo passo na implementação de uma Clínica da Atividade Docente nas escolas é registrar em ata uma síntese das discussões realizadas e das providências a serem tomadas.

É preciso considerar, antes de qualquer coisa, que os videodocumentários em questão já são, de alguma forma, um tipo de “ata” da análise e problematização de trechos de aula de uma dupla de professores, que se voluntariaram para trabalhar juntos, e se tornam “pauta” da reunião pedagógica. Assim, essa espécie de “ata audiovisual” que são os videodocumentários pode trazer ao coletivo mais amplo de professores, em diferentes graus de profundidade e precisão, a objetivação de pelo menos um problema ou dificuldade geral de sala de aula. Recomendo, portanto, que a primeira parte da ata escrita da reunião pedagógica traga, em seu primeiro parágrafo, uma síntese dos videodocumentários, especificando brevemente o que se passa nos trechos de aula que eles contêm e o que a dupla de professores dizem/discutem a respeito deles nas sessões de autoconfrontação simples e cruzada: qual é ou quais são em linhas gerais o(s) problema(s) ou dificuldade(s) apontado(s) e discutido(s)? Isso se constitui como especificação escrita da pauta da reunião.

Desse ponto em diante, uma vez que os professores do coletivo mais amplo, de uma forma ou de outra, retomarão em suas discussões tanto os trechos de aula quanto a palavra da dupla de professores a respeito deles, devem-se registrar na ata, de forma breve e clara, os pontos de vista que se manifestam, especialmente quanto ao que se deveria fazer para resolver o(s) problema(s) ou superar a(s) dificuldades em discussão.

Além disso, é preciso especificar a quem caberia fazer o que deve ser feito, isto é, a quem caberia tomar as providências necessárias. Há pelo menos três possibilidades: 1) aos próprios professores, no trabalho coletivo; 2) aos gestores; 3) ao mesmo tempo aos professores e aos gestores, num trabalho coletivo mais amplo. Especialmente no que diz respeito à responsabilidade dos gestores, seria recomendável que eles fossem convidados para participar da reunião com os professores. Dessa forma, poderiam – desde já – tanto participar das discussões quanto das decisões a serem tomadas, comprometendo-se de imediato com aquilo que lhes disser respeito. Caso isso não seja possível e as decisões tomadas lhes digam respeito, estas lhes serão comunicadas tanto por meio dos videodocumentários quanto por meio da ata lavrada e assinada pelos professores. Tratarei desse assunto em meu próximo post.