Como se deu o trabalho de filmagem de aulas?

por Anselmo Lima

camera-filmagem-gravacao-clinica-da-atividade-docente-utfpr

Tendo atuado com os professores na análise e problematização das aulas até então apenas observadas e registradas por escrito, o oitavo passo de implementação da Clínica da Atividade Docente na UTFPR-PB foi o de filmagem propriamente dita da atividade de ensino-aprendizagem realizada por meio da interação dos professores com seus alunos. A câmera foi, como é recomendável, posicionada sobre um tripé no canto esquerdo do fundo da sala, de modo que foi possível registrar os alunos de costas (e lateralmente) e gravar os professores de frente, em sua movimentação ao interagir com os alunos. Com esse posicionamento da câmera, como as aulas e as gravações se deram no Laboratório de Informática, foi possível registrar também as telas dos computadores dos alunos, as quais – em relação à localização dos professores, que ficam à frente – se constituem como “pontos cegos” para os docentes.

A montagem do equipamento de filmagem no local teve início aproximadamente 15 minutos antes do início das aulas. Conforme os alunos iam chegando e entrando na sala, inevitavelmente notavam a aparelhagem e demonstravam interesse e curiosidade. Por vezes, conversavam e faziam breves observações bem-humoradas sobre como seria para eles e para os professores a experiência de serem filmados. O fato foi que, como já era de se esperar e como – na perspectiva da Clínica da Atividade Docente – é desejável, os alunos “mudaram” seu comportamento: pareciam mais quietos e demonstravam prestar mais atenção e se concentrar mais nas aulas. Essa “mudança” de comportamento, entretanto, não impediu que se notasse uma vez mais, na aula de um dos professores da dupla, a relativa e ligeira “indisciplina” ou “dispersão” de alguns dos alunos, a qual – como comentei no post anterior – se materializa na forma de algo como certa agitação e/ou movimentação discente.

Esses aspectos, bem documentados pelas filmagens, serão abordados detalhada e profundamente em meus próximos posts, os quais – no nono passo de implementação da Clínica da Atividade Docente na UTFPR-PB, serão dedicados justamente à análise e problematização com e pelos professores de trechos de aula em situação de Autoconfrontação Simples e Cruzada.