Dar aula em pé ou sentado? O dilema do professor que usa computador em suas aulas

por Anselmo Lima

clínica da atividade

De um lado, para o professor de informática, nas condições em que desenvolve seu trabalho pedagógico, digitar inclinado para conseguir dar aula quando a quantidade de código a ser digitada é baixa permite que o docente não perca o contato com os alunos por não estar totalmente isolado atrás da tela de seu computador, sentando-se e levantando-se alternadamente apenas quando é grande a quantidade de código a ser digitada. Esse gesto profissional docente permite amenizar o problema da perda de contato com os alunos durante o processo de digitação. Há, portanto, nesse caso, ganho para o professor e seus alunos em termos de ensino-aprendizagem, mas perda para o professor em termos dos impactos que podem ser causados a sua saúde, ainda que a longo prazo. Vale, nesse caso, lembrar as palavras do Professor “B”: “ficar três aulas inclinado sobre o computador, quatro ou cinco vezes por semana, [só pode trazer sérias consequências para sua saúde física]”.

De outro lado, digitar sentado para dar aula evita problemas que poderiam ser causados à saúde do professor, mas produz relativa perda de contato entre o professor e os alunos durante as aulas, uma vez que o professor se encontra praticamente isolado atrás da tela de seu computador, o que leva os alunos a ficarem “perdidos” e a se dispersarem, tornando-se mais ou menos “indisciplinados” e apresentando problemas de ensino-aprendizagem devidos à impossibilidade de acompanhar de forma mais proveitosa as explicações do professor. Nesse caso, há ganho para o professor, que consegue preservar sua saúde, mas perda para o professor e seus alunos em termos de ensino-aprendizagem, uma vez que estes últimos não conseguem acompanhar as aulas com maior proveito. Vale, neste outro caso, lembrar as palavras do Professor “A”: “quem acaba prejudicado também é o aluno”.

No próximo post explicarei a razão de esses dois gestos profissionais serem insustentáveis para os professores.